[RESENHA] Por que Indiana, João? , Danilo Leonardi

Por que Indiana, João

ISBN: 9788578552381
Ano: 2014
Páginas: 208
Língua: Português
Editora: Giz Editorial
Preço Médio: 25,00
Sinopse: Você pode pensar que, aos quinze anos, João já deveria estar acostumado com provocações, apelidos e humilhações. Afinal, ele é um típico adolescente deslocado e tímido. Alvo perfeito para a ira dos valentões e para o desprezo das garotas.

Mas sua vida muda completamente quando reage a um ataque de seu maior algoz. O golpe de sorte que derruba o valentão é gravado e vira hit na internet.
João se vê finalmente admirado, respeitado e seguro. Mas tudo tem seu preço e João vai aprender qual o peso que suas escolhas podem ter não só sobre sua vida, mas sobre as vidas de todos ao seu redor.

“Por que Indiana, João?” é o livro de estreia de Danilo Leonardi, editor do canal “Cabine Literária” e parte de uma história quase comum para falar sobre algo que não deveria ser tão comum assim e que faz parte da vida de muitos adolescentes, jovens e até de adultos: o bullying.

Um livro interessante para tratar dialogar sobre o Bullying com o público jovem, Danilo Leonardi – o criador do canal Cabine Literária – usa sua experiencia com comunicação com o publico alvo para tratar do assunto de uma forma forte e com sua escrita simples.

O livro tem diversos pontos positivos, mas também deixa a desejar em alguns momentos. Confesso que esperei que alguns personagens e situações fossem mais explorados, mas isso não compromete em nada o assunto base do livro o que é o mais importante.

Como comentei, a escrita do Danilo é simples, em certos momentos até bastante crua, o que ajuda a chamar bastante atenção a causa. Muitas crianças e adolescentes vivem nessa situação e a escola é na grande maioria das vezes o “campo de guerra”, mas até que ponto as escolas devem se envolver? Pior: Quantas escolas realmente se envolvem e tentam tomar medidas efetivas? E a relação jovem/familia, como fica? Gosto muito dessas provocações, gosto muito de como mesmo tendo um tema central, que o livro não se torne cansativo ou repetitivo.

É um livro que sem duvidas poderia ser trabalhado nas escolas, especialmente pelo ponto de virada que existe na história. “Vilões também caem.” Guardem bem esse quote, pois apesar de situação ruim em que o João se envolve, ela faz muito sentido.

Os assuntos secundários que deixam é que deixam a desejar, mas são importantíssimos: sexualidade, relacionamentos, amizades e negligencia parental. Quando levo em conta que pode ser muito bacana trabalhar esse livro nas escolas, também pode e deve ser trabalhado dentro de casa. Uma vez que esses assuntos não são tão explorados, também temos um lado positivo de provocação e de maior abertura de dialogo para ver o que a criança ou o adolescente.

A partir do mês de Março vou retomar o Circuito Literário – mais informações em breve –  em algumas escolas e assim que terminei a leitura, me vi animadíssima para trabalhar com ele em minhas palestras também, justamente por ser uma leitura que dá para ser muito bem aproveitada, além de bastante divertida e com uma linda mensagem.

XoXo

[RESENHA] ANARDEUS – WALTER TIERNO

anardeus

ISBN: 9788578552053

Ano: 2013

Páginas: 184

Língua: Português

Editora: Giz Editorial

Preço Médio: 25,00

Skoob | GoodReads

Anardeus nasce feio, cresce ignorado e se torna um adulto desagradável. Sente muito frio, o tempo todo, e só desfruta o conforto do calor quando testemunha tragédias e horrores. Ele odeia tudo e todos, menos sua irmã gêmea, Isabel, sua antítese: linda, amável e cheia de calor.
Anardeus, com a sua personalidade detestável, é um anti-herói incomum e, por isso mesmo, tão interessante. O mundo não deseja Anardeus. Anardeus não deseja o mundo. Mas terão que viver juntos até o final apocalíptico e perturbador.
Anardeus, no calor da destruição tem como cenário São Paulo e seus personagens cínicos, loucos, egoístas. Um romance sem rótulos ou lugar-comum, para ler e sentir tudo – menos indiferença.

É difícil falar exatamente do que se trata Anardeus, mas uma coisa eu tive certeza: eita livrinho intenso. Eu senti como se fosse um soco no estomago, sabe? De tão crua, real, cruel e “doida” essa história é e de como ela foi tão bem desenvolvida pelo Walter Tierno.

Para começar, esse não é um livro de leitura fácil e não é por conta da complexidade do texto, nem nada do tipo. Anardeus trata de situações intensas e muitas vezes tabu, deixando o leitora desconfortável em algumas passagens em que você pensa “que merda é essa?”. Mas quanto mais intenso ele ficava, mais eu me envolvia e queria essas “tapas de realidade” dadas em meu rosto. É o tipo de experiência que poucos livros te proporcionam.

Dividido em três narrações (Anardeus, O Fotógrafo e Isabel), conta a história de irmãos gêmeos que são diferentes em tudo: Isabel é quente como o fogo e calorosa com todos ao seu redor, conquistando todo mundo com um poder de sedução indescritível e beleza fora do comum. Já Anardeus é frio, calculista, apático e descrito como um homem de aparência detestável. Ele sente muito frio o tempo inteiro – enquanto sua irmã sente muito calor sempre – e os raros momentos em que esse frio não o faz precisar vestir inúmeras camadas de roupas são quando está presenciando (ou desejando até acontecer) algo trágico, como um acidente de metro ou um avião destruindo um prédio.

A crueldade no livro não vem só quando essas tragédias acontecem, mas também ao mostrar a vida que Anardeus levou desde que nasceu. Fruto de uma família desestruturada, sempre foi rejeitado por todos enquanto via sua irmã ser exaltada em diversos aspectos. Isso poderia causar um atrito entre os irmãos, porém, eles têm uma relação bem intensa e que muitas vezes cai no tema tabu. Sim, é isso mesmo que você está pensando e algumas pessoas vão querer fechar o livro nesses momentos, mas vai por mim: continue.

O plano de fundo dessa história é o que faz o livro ser tão bom, além do modo que Walter narra todas as situações com tanta realidade. Nele não tem meias palavra e por isso eu reforço que não é uma leitura fácil, muito menos para quem ainda não atingiu certa maturidade. Anardeus é o típico anti-herói que muita gente pode odiar, porém, você acaba abraçando a causa dele e torcendo por mais que ele seja cínico, cruel, egoísta e, utilizando a única palavra para descrevê-lo, escroto. Não existe um personagem bonzinho nesse livro, nem mesmo Isabel que sempre teve tudo de mão beijada por ser tão linda e sensual. Ela tem seus momentos de crueldade, só mostrando que existe um pouco de maldade dentro de cada ser humano.

E colocar São Paulo como o cenário dessa história só torna tudo mais perfeito. Eu sempre sinto certa melancolia em São Paulo, por ser uma cidade tão grande e com pessoas tão diferentes. É o típico lugar com milhões de pessoas, mas que você vai se sentir sozinho mesmo no meio da Avenida Paulista lotada. Anardeus se sentia sozinho no meio dessa megalópole e talvez seja essa a explicação para tanto rancor no seu coração. Se bem que, ao terminar o livro, você duvida muito que Anardeus, ou até mesmo Isabela, tenha coração. Eles tinham uma missão nesse mundo e souberam cumprir direitinho, mesmo que para isso você tenha que terminar com uma tragédia já esperada, mas que não tira o brilho desse livro que só reforça que temos sim autores brasileiros incríveis e histórias maravilhosas.

Beijos 🙂

[Resenha] Jardim de Espelhos, Veridiana Maenaka

imgTitle_20140909120110

 

ISBN: 9788578552367

Ano: 2014

Páginas: 352

Língua: Português

Editora: Giz Editorial

Preço médio: R$ 39,00

Sinopse: Cristina nasceu de um relacionamento proibido, por isso é rejeitada e entregue, ainda bebê, a uma mulher humilde. Ignorante de sua origem, cresce como serviçal na fazenda Redenção. Apesar da diferença social, ela e André, filho do dono da propriedade, tornam–se companheiros de folguedos e, na adolescência, namorados. Mas esse amor custa caro a Cristina, e ela cai em desgraça. Quem a salva do desamparo é Olívia, reconhecida alcoviteira, que a transforma numa mulher cobiçada e elegante, uma acompanhante de alto luxo.

Na solidão dessa vida a um só tempo glamourosa e degradante, Cristina reencontra André, o amor de infância. Obcecada por reconquistá–lo e retornar triunfante à fazenda Redenção, a moça precisará da ajuda do detestável – e atraente – Eduardo.

Este é um daqueles livros que chamaram minha atenção não só pela capa linda, mas também na sinopse. Romance de época nacional, se passando em São Paulo e com uma mocinha que por mais que sofresse, daria a volta por cima.

Não vou mentir que o inicio do livro teve um ritmo lento para mim. Mas aos poucos, a história foi se desenvolvendo e me envolvendo. Cristina é uma criança bastarda que sempre foi muito bonita. Recusada pela avó e pela mãe, ela é criada por uma antiga empregada de sua avó em uma fazenda chamada Redenção. Nessa fazenda ela vai descobrir o seu primeiro e talvez verdadeiro amor. André é um dos herdeiros da fazenda e ao lado dela ela acredita que vai ter um futuro totalmente diferente. Que vai poder construir uma família de verdade. Os encontros vão se tornando cada dia mais frustrantes pois André não pensa em se casar. E esse é o ponto de virada e foi aí que a leitura me fisgou para valer. No lugar de apenas choramingar Cristina mesmo passando por várias situações ruins continua sendo forte de decidida.

Ao conhecer Olivia, sua vida muda completamente. De mocinha imensamente apaixonada, Cristina se transforma em uma acompanhante de luxo. Dona de uma beleza inigualável, ela sabe muito bem como jogar o seu jogo. Algo que admirei é que a relação de amizade entre Olivia e Cristina. E acho que nesse ponto, o livro trabalha muito bem: nem todas as pessoas são o que aparentam ser.

 

Anos se passam e Cristina, ciente de seu trabalho e com o coração ainda magoado, não acredita mais no amor. Ela é uma amante muito requisitada, mas não está pronta para lidar com o maior dilema de sua vida: Seu passado, André, retorna a sua vida. E o difícil Eduardo parece insistir em não sair dela. Em cima de tudo o que ela já viveu, é impossível de fugir da enorme gama de sentimentos que tomam conta e perturbam sua vida por completo. Você sente o desespero, o medo e as inseguranças dela. Olhar para trás vai fazer com que tenha um futuro? Ou começar a enxergar verdadeiramente o que está ocorrendo em sua vida neste momento é que fará a diferença no final?

Como comentei, no inicio da leitura pensei que seria algo arrastado até o fim e que a mocinha só seria forte por virar uma acompanhante de luxo, mas é muito mais do que isso. Cristina é forte por natureza. Quem conhece a gente bem sabe que uma mocinha com atitude é algo que nos fisga pra valer. E por mais que sua vida seja digna de um grande drama, Cristina cresce e desabrocha cada vez mais com cada um dos problemas de sua vida. A Veridiana conseguiu juntar os elementos de romance de época e mocinha dura na queda muito bem. Outro ponto positivo é se passar em São Paulo. Além de ter adorado Cristina, o Eduardo… ah, o Eduardo! Adorei. Os diálogos entre os dois são ótimos. Se eu pudesse até colocava mais lenha na fogueira hehe. Os personagens são bem trabalhados, e quando for para você sentir raiva de algum deles, se prepare…

Sendo assim, a leitura é mais que recomendada para aqueles que curtem literatura nacional e romance de época. A escrita da Veridiana é ótima, leitura redondinha, outra coisa que é extremante positiva. E se você não curte nenhum desses gêneros ou acha que vai ser ler mais do mesmo, insisto que dê uma chance a O Jardim de Espelhos. O livro é muito bem trabalhado. E quando digo bem trabalhado, elogio além do texto, mas a diagramação e as páginas amareladas, assim como a belíssima capa!

Espero que curtam!

XoXo

Resenha: O Plano é o Amor – Neiva Meirele

o-plano-c3a9-o-amor

ISBN: 9788578552480

Ano: 2015

Páginas: 192

Língua: Português

Editora: Giz Editorial

Preço Médio: 29,90

Sinopse: Giovana acabara de realizar um grande sonho: casar com Rick, o amor de sua vida, ela não poderia estar mais feliz. Mas essa nova etapa que tanto fantasiou começou a se tornar um grande pesadelo. Constantemente testada, ela vivia sem forças, sentia–se sugada e prestes a se entregar, a ponto de desistir de seu plano de felicidade.

E, muitas vezes, sentindo–se abandonada, ela chegou ao ponto–limite de suas forças quando viu o caos se instalar em sua vida. Então, uma habilidade especial, algo que ela nunca deu muita atenção sobre si mesma, reapareceu, o sinal, algo que ela desejou, imediatamente aconteceu. Pensou que tudo iria melhorar… Mas há um plano para ela.

E Giovana sabe que ainda tem muito a aprender. Venha se emocionar com uma história sobre o perdão, reconciliação e, sobretudo, a Fé.

Devo começar a resenha dizendo que, ao receber o livro para ler, eu não imaginei que ele fosse ser da forma que transcorreu durante a leitura. A sinopse indicava um romance bem Nicolas Sparks, sabe? Com drama, lágrimas, amor que só desenrola na última linha da última página. Mas “O Plano é o Amor” vem falar de outro tipo de amor; a fé. O amor por Deus e como ele pode transformar a vida das pessoas.

Giovana sabia que era escolhida por Deus e tinha uma missão na terra desde nova, até então desconhecida. Ela era apaixonada pelo marido Rick e juntos eles viveram lindos 5 anos de amor e companheirismo, até que a tia de Rick, que o criou como um filho, entra na vida do casal. Por questões financeiras, eles têm que morar com a tia Neli e essa senhora também tem uma missa de vida: infernizar a vida de Giovana e afastá-la de Rick.

Desde o primeiro segundo que Neli aparece na história ela é a personificação da sogra diabólica, daquelas clássicas que todo mundo te alerta que um dia você terá na vida e será literalmente um inferno. Neli não mede esforços para alfinetar Giovana em tudo que ela faz, desde sua rotina em casa, sua comida, o fato de ela e Rick ainda não terem um filho. Tudo é motivo para falar sem meias palavras e muitas vezes de forma agressiva, com palavrões hardcore. Mas Giovana aceita tudo calada, algo impressionante. Tá pra nascer uma pessoa tão “alma elevada” como ela para aguentar tantas porradas que Neli dá diariamente, às vezes sendo até mesmo exagerado como alguém consegue manter tanto a calma e a classe naquela situação.

O que leva a outra questão que me incomodou um pouco na história. Rick, vendo a mulher sofrer tanto com a implicância da tia e muitas vezes sendo a vítima do temperamento de Neli, nada faz para reverter a situação. Ok, ele respeita a tia e a considera uma mãe, mas em diversos momentos eu senti falta de ele ser “homem”, sabe? De chegar e falar que não é nada ok a tia tratar a mulher daquele jeito e baixar um pouco a bola dela. Ao invés disso, Rick pede que Giovana tenha paciência, que as coisas irão melhorar para eles um dia, tirando o problema das costas dele para não criar uma desavença ainda maior em casa. E Giovana tem paciência, claro. Porque ela é um poço de paciência em meio a aquele caos.

Cada dia que passa e Neli fica mais e mais agressiva com Giovana, sua missão na terra fica mais clara: ela precisa mostrar a Neli o caminho da fé e livra-la dos “demônios” que estão a deixando daquela forma. Foi nesse ponto da história que eu entendi qual era o verdadeiro tema do livro. A autora escolheu abordar esse lado da religião, que envolve possessão demoníaca, espíritos do mal comandando a vida de alguém e como a fé é capaz de mudar a vida das pessoas. Meu “problema” com o livro não foi ele falar sobre religião, até porque um dos meus livros favoritos (A Menina que Fazia Nevar) tem essa temática também. Mas foi o jeito que a religião foi desenvolvida. Eu simplesmente não fui cativada pelo jeito que as coisas transcorreram, já imaginando como seria o final quase na metade do livro.

Não foi uma história que mexeu comigo ou me envolveu a ponto de eu torcer pelos personagens. Como mencionei, Giovana é tão paciente que eu acho improvável alguém ser desse jeito, independente da fé da pessoa. E Rick não se mostrou ser esse homem perfeito e apaixonado que Giovana descrevia, sendo imparcial demais em relação a rincha da tia com a esposa e pulando do barco nas horas de tempestade para se salvar e deixando a esposas a mercê das maldades.

A autora escreve bem e desenvolveu uma história de maneira linear, porém, foi uma história que não serviu pra mim. Acho que quem se interessa mais pelo assunto vai adorar o livro, até porque ele tem passagens bíblicas em cada capítulo e menções de músicas gospel, então O Plano é o Amor será um excelente livro de leitura rápida e bem escrito para os interessados no tema.

Beijos 🙂