[RESENHA] A SEREIA, Kiera Cass

3
ISBN: 9780130427014
Ano: 2016
Páginas: 368
Língua: Português
Editora: Seguinte
Preço Médio: 25,00
Sinopse: Anos atrás, Kahlen foi salva de um naufrágio pela própria Água. Para pagar sua dívida, a garota se tornou uma sereia e, durante cem anos, precisa usar sua voz para atrair as pessoas para se afogarem no mar. Kahlen está decidida a cumprir sua sentença à risca, até que ela conhece Akinli. Lindo, carinhoso e gentil, o garoto é tudo o que Kahlen sempre sonhou. Apesar de não poderem conversar — pois a voz da sereia é fatal —, logo surge uma conexão intensa entre os dois. É contra as regras se apaixonar por um humano, e se a Água descobrir, Kahlen será obrigada a abandonar Akinli para sempre. Mas pela primeira vez em muitos anos de obediência, ela está determinada a seguir seu coração
Vamos lá… Eu não vou negar que gostei do livro. Não curti algumas coisas, mas são bobagens, no final. Não tiram a diversão da leitura, sabe? Acho um tanto injusto achar que algumas coisas que me incomodaram são justamente por ser o primeiro livro da Kiera, afinal, quantos autores tem os primeiros livros mais bem avaliados que os demais? E sinceramente, apesar de te sido uma boa leitura, ainda prefiro seu trabalho – mesmo com todas as falhas, nos 3 primeiros livros de A Seleção.

Bem, como disse, gostei do livro. Está distante de ser colocado em um top 10 da vida, mas ele é muito fofo e tem um ponto muito alto: A mitologia das Sereias. Como na própria sinopse diz, Kahlen foi salva de um naufrago pela Água e deve servir a ela por 100 anos para retornar sua vida novamente. É interessante ver como a Kiera mescla a sua mitologia com a mitologia mais famosa das sereias, que envolve sua voz. O poder da sedução da voz das sereias, que atraem os homens para alimentar a água. Outro ponto interessante é que as sereias não tem a famosa cauda.

As sereias tem três vidas: a de antes da Água salvá-las, a como sereia de fato, servindo a Água e depois uma nova vida humana onde tudo o que ela não vai lembrar de tudo o que passou.

A Kahlen é nossa protagonista e depois de ser salva pela Água, está vivendo sua vida como sereia e tem duas “irmãs”. Ela sempre foi obediente, mas extremamente sonhadora, tem seus segredos e os guarda muito bem. Ela é discreta, mas também é a que mais se sensibiliza com a obrigação que tem como Sereia. Como sua voz é encantadora e deve ser usada só na hora de cumprir com sua obrigação, ela não pode se comunicar normalmente com humanos. E é aí que a coisa fica ainda mais complicada, ela vai conhecer um rapaz que vai fazer seu coração bater mais acelerado, mas além de não poder falar com ele, ela vai ter que ir contra sua obrigação como Sereia pela primeira vez. Ela já cumpriu 80 dos 100 anos, será que essa paixão vai vale a pena?

Fica ainda mais claro que a Kiera gosta e vai trabalhar com romances e como eu disse, é um livro fofo e tem como público alvo infanto-juvenil e juvenil. Pode ser que alguém que pegue esse livro esperando uma grande estrutura, um plot impecável, se decepcione.

A Sereia é uma leitura leve, bem para quando você está de bobeira, quer ler algo que te divirta.

Não vou negar que o fato de Kahlen ser tão obcecada por amor e casamento me lembrou bastante A Pequena Sereia – tem também a questão de conquistar o boy sem usar sua voz fantástica – e justamente isso me incomodou um pouco. De primeira não curti muito o romance, mas acabei me acostumando com o casal. Achei um tanto corrido… A forma como tudo começa e se torna intenso realmente deixou a desejar…

Como comentei, achei a questão da mitologia – mesmo não sendo tão profundamente explorada – um ponto alto do livro. E mesmo achando ele um tanto lento, não me incomodei. Ele é lento, mas de uma forma positiva, diria até uniforme, então consegui seguir com a leitura com tranquilidade.

E aí? Quem está animado(a) para ler também? O livros já estão nas livrarias!

XoXo