Meta de leitura ou MAMILOS LITERÁRIOS?! – Bate Papo #2DB Mi

55metacapa

Eitaaaa que quando se fala de meta de leitura, tem gente que pira!  Mas aqui é só tranquilidade hehehehe.

 

Defendo metas sim, assim como defendo quem não faz meta, afinal, cada um no seu quadrado né galera? O legal é trocar vivências e experiências que passamos e dicas de como podemos aproveitar ainda mais esse mar de livros incrível! Sim, somando meu goodreads, meu skoob e meu caderninho, quando gravei esse vídeo estava em 88 livros. Agora já li + 2, ou seja, estou em 90 livros. Yay! Santo Kindle me abençoe hehehe pena que o dolar tá matando, não é mesmo? Mas com as aquisições da bienal e aniversário, tenho muitaaaaaa coisa para ler nos próximos meses! hehehe

Espero que tenham gostado do vídeo!

XoXo

TRETAS DA BIENAL! #2DB & #BFYH

Viagem boa é aquela que você volta pra casa cheia de histórias para contar, não é mesmo? Bienal do Rio já virou uma parada obrigatória e tem sido muito legal ver mais amigos entrando nessa rota. Esse ano eu não fiquei em casa de amigas como geralmente rolava, mas dividi o quarto com duas amigas de Fortaleza. A Pri é do blog Feed Your Head – nosso parceiro! visitem!!! – e a Jamille estava como representante do mesmo também. O fato é que batemos agendas e conseguimos, mesmo em momentos que estavamos em atividades diferentes, nos divertirmos e aproveitarmos o máximo que dava. Também rimos muito de nossas próprias desgraças, afinal, viagem sem tretas não é viagem… Pra saber mais um pouquinho é só clicar no vídeo para rir um bocado. Pastel de 37,00 é pura bobagem…

#2DBienal – Nossa impressão sobre a central de senhas!!!

bienalmapa

Confesso que a novidade da central de senhas na Bienal do Livro Rio foi recebida por mim de uma maneira agridoce.

Fiquei muito feliz em saber que a orgnização estava disposta a melhorar a feira e também permitir que menos acidentes ocorressem. Sim gente, não tem essa. Aqui no Brasil não é novidade que quando um autor badalado – nacional ou internacional – comparece em certos eventos, que a correria para garantir sua senha, seu autógrafo e sua foto existe e na maioria das vezes sempre causa um stress danado! Na Bienal do Rio não é novidade que as editoras mais badaladas estão no pavilhão azul e sempre rolava aquele stress absurdo após a abertura dos portões. Fora que também ficava impossível transitar pelo pavilhão por conta das filas. Afinal, se eu cheguei cedo, garanti minha senha e o autografo desse autor querido só vai rolar no final da tarde, não vou perder o meu lugar na fila para deixar de ser um dos primeiros, não é mesmo?

Meu medo era que toda essa confusão acabasse acontecendo em um espaço a parte. A vantagem é que quem estivesse circulando pela Bienal poderia fazer isso sem tanto stress e quem estava interessado em senha ficaria no local indicado.

11923251_542805392550988_6365307226525198837_n

Minha alegria foi ver como tudo estava organizado. Grades por toda a parte da central de senhas e dos auditórios Copacabana e Maracanã. Rolou correria para entrar no pavilhão? Sim. Mas uma vez que você entra na fila e rola pelas grades apelidadas de “curral” por alguns funcionários da Bienal, você sabe que vai garantir sua senha. É claro que tinham alguns funcionários irritados e não foram tão prestativos. Sei que lidar com fandons é sempre algo delicado, mas responder a dúvida de uma pessoa no lugar de levantar uma placa que tinha em mãos não custava absolutamente nada. De modo geral DEU MUITO GOSTO VER A BIENAL E EM ESPECIAL, O PESSOAL DAS EDITORAS FAZENDO DAR CERTO. Sim, em caps! Cara, dava para ver o esforço das editoras para que todas as pessoas fossem atendidas, que quando o limite máximo de pessoas já estivesse na fila, para que outras não acabassem perdendo tempo tumultuando o espaço. Só teve um autor internacional que teve senha distribuida na central que não teve informação concreta. Mas aí fica complicado de dizer se a culpa foi da Editora ou da Bienal. O que me chateou de fato, foi que os autografos da autora em questão continuaram a ser atendidos no stand da editora e os funcionários da mesma que garantiram que todos seriam atendidos pela ordem das senhas não se preocuparam de fazer isso funcionar. Fiquei irritada em ver gente sem nem mesmo estar com senha sendo atendida na minha frente!!! Claro que imagino como os dois lados se esforçaram, mas este também foi o único ruído de todos os 5 dias que passei na Bienal!!! Ou seja, SALDO MAIS QUE POSITIVO!!!!!

1908032_544087395756121_6554106005918340514_n

Minha única ressalva é sobre as filas nos stands. É claro que com a central de senhas e os auditórios anexos toda a estrutura melhorou muito, mas lá não era espaço para todos os autores que compareceram na feira. A Bienal recebe milhares de pessoas, muitos autores e alguns deles já estão mais que consagrados. É impossivel que se a editora só tem a opção de colocá-lo para atender os fãs em seu stand, que filas não se formem. Pequenas ou grandes. E sinceramente, por maior que fossem as filas, não senti que atrapalhou o meu fluxo de ir e vir de forma alguma pelos pavilhões. A central de senhas sem dúvidas foi um senhor acerto que ajudou a todos! Só vi vantagem nesse sistema, especialmente por ter utilizado ele quase todos os dias em que estive na Bienal.

E você? Usou a central de senhas? Foi na Bienal? O que achou? O #2DB só tem que dar os parabéns para todos os envolvidos. Em especial o pessoal da editora Record, da ArqueiroIntrínseca que o tempo todo ajudou a equipe da Bienal a coordenar as filas e tirou as duvidas de toda e qualquer pessoa que estava presente!

Xoxo

Não é São João, mas o #2DB conquistou meio milhão de views!

EITA NOIIISSSSS!!! PARTY HARD #2DB!!!

unnamed (1)

 

Estamos transbordando de felicidade por aqui. MEIO MILHÃO DE VIEWS CARA! Para alguns pode não ser nada demais, mas para a gente é bastante coisa! É um marco com um ano de canal, especialmente por não termos um assunto especifico. O 2 Dedos de Bagunça surgiu como um cantinho para que a gente pudesse dividir com as pessoas sobre o que amamos. Claro que o assunto principal é literatura, afinal, somos movidas por livros! Ler e escrever são algumas de nossas paixões e claro, o batom vermelho também está em destaque.

Conversamos sobre literatura, maquiagem, filmes, dividimos momentos bons e ruins! Rolou evento em Recife para comemorar um ano do canal e em Salvador rolou encontrinho. Toda semana a gente upa os vídeos com muito carinho e afinco e também produz posts por aqui com a mesma empolgação. Ainda não é inscrito em nosso canal? Corre aqui e SE INSCREVE! 

unnamed

Vai um pedacinho de bolo aí? Naked cake de formigueiro de chocolate branco com chocolate amargo, brigadeiros e morangos da Vilma, uma querida que esteve presente no #2DBday também! 

O nosso super agradecimento para todos os leitores, parceiros e amigos. Tenham certeza que a gente jamais iria ter essa oportunidade se não fosse por conta do apoio de vocês! E comemorar essa conquista na mesma semana de meu aniversário, cara!!! Sem palavras!!! Não se preocupem pois o Bestão e o Bernard estão comemorando com a gente também!

Ainda tem muito que vem por aí. Em breve teremos um lay novo, colunistas aqui no blog, mais eventos… Mais conteúdo criado com carinho para todo mundo! Aguardem novidades! E mais uma vez: OBRIGADA!

XoXo

Eventinho + Look do dia

11180620_524492521048942_7882924356673427829_n

No último sábado, dia 18 de julho rolou um evento bem bacana. O “Agora é que são elas” foi organizado por Agatha e o Clube dos Canalhas. No evento a autora Cátia Mourão (RJ) veio apresentar os seus trabalhos e eu fui convidada para papear sobre o papel da mulher no mercado literário e também sobre meu livro, Destinos Cruzados !

11060041_524492661048928_3521512172899788980_n 11705369_524492704382257_2478313064723911998_n

O evento foi muito legal, rolou muito debate e também muito riso. Quem me conhece sabe que amo eventos justamente por ser um espaço perfeito para debate. Acho muito gostosa essa troca de experiencias e de vivencias que a gente tem com os livros e o mais sensacional do evento foi focar no mercado nacional e também na participação feminina no mesmo, A gente bem sabe que o mercado está passando por grandes mudanças, mas é preciso que as escolas, que a educação também passe por mudanças. Ainda convivemos com pessoas que não gostam de ler por conta das travas criadas dentro das escolas. Ainda existe muito preconceito com literatura nacional, mas estamos dando passos para mudar tudo isso. Aos poucos e juntos tenho certeza que podemos chegar lá.

11060041_524492661048928_3521512172899788980_n

Falando em eventos, sempre divulgamos em nossa página do facebook os eventos que estão rolando em Recife e Salvador e avisamos se estaremos participando, afinal nem sempre dá né? 🙁 mimimi

Oficialmente estreando os posts de look do dia no blog, seguem mais algumas fotos. O vestido é da Lojas Blz, brincos Donna Bijouterias e Sapatos Arezzo. E aí? O que acharam?

milook03 milook05 milook06

 

xoxo

Feliz dia do amigo Parça!

Mas é claro que no dia do amigo, que a gente ia postar algum vídeo. Não, não. Nada meloso, bobinho, fofinho. Vocês sabem que a gente é da bagunça, da tosqueira e não tem vergonha de admitir! A gente se diverte horrores, mesmo consumindo algo que detesta. Marshmellow não é nossa parada. Mesmo assim, O Desafio do Chubby Bunny é um clássico no youtube e no ano passado quando perguntamos para vocês que desafios deveríamos gravar, esse foi o mais sugerido. Tá aí o resultado. Espero que vcs se divirtam assistindo tanto quanto a gente se divertiu gravando. Bagunceiros e bagunceiras de nosso Brasil, amigos e queridos… FELIZ DIA DO AMIGO!  Que venham muitos mais por aí! 😉

 

xoxo

[Resenha] Na porta ao lado – Luiza Trigo

Na-porta-ao-lado

ISBN: 9788579802478

Ano: 2015

Páginas: 256

Língua: Português

Editora: Rocco – Rocco Jovens Leitores

Preço Médio: 25,00

Sinopse: A Carol tem mania de fazer listas. Escreve sobre tudo: livros favoritos, melhores momentos das férias, músicas prediletas, frustrações… Mas nunca pensou que registraria em suas listas novidades tão surpreendentes: o casamento de sua mãe com o namorado; a mudança da casa onde viveu por 15 anos e guardava as memórias do pai; a vida sob o mesmo teto que o padrasto e seu filho insuportável. Gente, total inferno! Mas a Carol conta com o apoio das suas quatro amigas – Bia, Pri, Amanda e Beta –, com as quais pode desabafar e se divertir. Vocês bem sabem como elas são boas nisso, né?! E se o clima em casa está ruim, ainda bem que na escola não acontece o mesmo, principalmente depois da chegada de um novo aluno que irá mexer com o seu coração. Leia os primeiros capítulos.

Tem coisa mais gostosa que ler um livro e além de se identificar com os personagens você também poder voltar no tempo? Com Meus 15 anos rolou essa vibe, mas em Na Porta ao lado foi bem mais forte! A protagonista ama ler, por conta de sua cor favorita… e ela é a louca das listas. Para completar, ela tomou gosto por correr algo que eu amava quando tinha sua idade. Bem, tirando essa última que não faço mais por conta do joelho e preguiça de fazer um treino de fato rs, me vi e muito na Carol.

A Luly mais uma fez um trabalho bacana. Mais do que mostrar uma etapa turbulenta na vida da Carol, senti que sua escrita amadureceu junto com sua personagem. As garotas agora estão fazendo 16… Foi algo meio Harry Potter para mim. Ao longo da série você sente como a JK vai amadurecendo também, não só os personagens.  E sim Luly, quando você ler essa resenha, sabia que estou mais que pronta para conhecer mais um pouquinho de cada um. Se com a Bia e a Carol eu me identifiquei demais, nem imagino o que vem por aí.

Não sou parte do público alvo do livro, mas sou apaixonada por histórias infanto-juvenis e juvenis. Não é só por ter síndrome de Peter Pan como alguns amigos costumam comentar, mas provavelmente ter passado para tramas tão mais densas quando ainda muito nova. Sou fã dessa parcela do mercado e dos escritores que como a Luly tratam seus personagens adolescentes com simplicidade e honestidade.

Quem acompanha o canal, lembra do que eu falei no vídeo “Chega de Mimimi literário?’ – é só clicar aqui para assistir ao vídeo – Adolescentes não são incapazes. E o fato de viverem tudo bem mais à flor da pele não fazem deles personagens vazios ou mimimizentos. Alguns como Katniss enfrentam algo muito maior, mas o dia-dia é desafiador demais. Passar por mudanças é sempre complicado. Se para os adultos é difícil seguir em frente quando nos afastamos daquilo do que estamos acostumados, imagina para uma adolescente?

A Carol vai iniciar um ano bem complicado: Se mudar de sua casa, seu porto seguro. A casa em que foi criada com muito amor por seus pais e viveu toda a vida, vai ver sua mãe se casar com outro homem, ter que se acostumar com uma nova estrutura familiar e se não bastasse, sua rotina da escola e sua vida vão ficar bem mais movimentadas que esperava. Como é que ela vai reagir a tudo o que acontece?

Amei o livro, pois apesar de soltar vários “A bichinha rapaz!” e pensar em puxar a orelha da Luly, a Carol mesmo com pouca idade foi aprendendo a lidar com cada nova – e nem sempre agradável – situação. Como a gente costuma brincar por aqui, ela não ficou sentada no meio fio chorando até que alguém resolvesse a situação. Isso é algo extremamente positivo. Adolescentes não são incapazes – acredito que vou viver batendo nessa questão eternamente! – e personagens femininos não precisam que tomem decisões por elas. Não precisa ser salva. Ela pode sim, tomar suas próprias decisões. E nenhuma de suas atitudes se torna adulta demais. Mais uma vez me vi voltando a adolescência, batendo papo, apoiando, sofrendo e comemorando junto com minhas amigas.

Nos livros da Luly, enquanto leio, sempre rolam uns “quem nunca?”. E isso em diversas situações. Afinal, se não aconteceu com você, aconteceu com uma amiga, uma conhecida… é muito gostoso. Não tem preço ficar com a cabeça cheia de lembranças pós leitura!

O final vai dar o que falar e surpreender muita gente. E vou dizer: Quando acabei estava com um sorriso enorme no rosto. A Luly não conseguiu apenas fazer uma história bacana e divertida, ela também abre espaço para mostrar que as garotas de seu público alvo podem sim e devem dar valor aos seus amigos, sua família e a seguir sua mente e seu coração e não esperar que o príncipe encantado apareça para salvar o dia. Elas mesmas podem fazer isso, muito bem e obrigada.

Ah, nem preciso dizer que a diagramação e as ilustrações do livro estão maravilhosas, né? A Irena arrasa!

Obrigada por apresentar essa turma bacana pra gente Luly. E por me fazer voltar no tempo com tanta força que foi fácil trocar Bush por Blur! Rsrsrsrs  (vocês vão entender isso m breve!) Volte sempre, afinal, além de muitos abraços gostosos, temos bolo de rolo! Ah, e brownie babado também rsrsr

Para ler a resenha de Carnaval, primeiro livro da Luly – clique aqui

Para ver o vlog do lançamento de Meus 15 anos – Clique aqui

Para ver o top 4 livros nacionais de 2014  – Clique Aqui –  Meus 15 anos está na lista.

Para ver as fotos do evento de lançamento de Na Porta ao Lado em Recife – clique aqui

O vlog do lançamento será postado em breve! Se inscrevam em nosso canal – clicando aqui! – afinal quem se inscreve assiste todos os vídeos em primeira mão! 😉

XoXo

CHEGA DE MIMIMI LITERÁRIO! – Mi #2DB

É isso aí meu povo. Bora ser feliz! Eu fiquei realmente muito chateada com o comentário da Sra Rocha. Em especial, por admirar o trabalho dela. Amo ler! Amo, amo amo! E eu amaria ter tido mais experiencias com literatura YA quando mais novinha. Acredito que seria sensacional. Que me daria base também.

Preconceito literário rola por toda parte. Preconceito, num geral, rola por toda parte e vamos combinar? É uma merda! Mas já que o papo aqui é sobre literatura, acho muito triste quando vejo alguém fazendo menos de algum leitor por ele gostar mais de YA, como detesto ver gente de mimimi pq fulano só curte livro clássico/rebuscado. Cara, o mercado está abrindo as portas para cada vez mais e mais gêneros, sub-gêneros e também autores. Sim, rola a moda, um gênero estoura. Mas como tudo na vida, vai ter o bom e o ruim. O mais ou menos… O que vai fazer sucesso e o que será indie… Só fico triste vendo esse tipo de mimimi.

Mimimi do qual costumo ver entre amigos da minha faixa etária e PRINCIPALMENTE de educadores e pais. Dos adultos que poderiam estar ajudando a formar mais e mais leitores, mas acabam podando tanto, que criam traumatizados, quadrados… Cara! Parem de pensar que adolescentes são incapazes! Não só os da ficção! Vamos melhorar isso aí e desenvolver cada vez mais formadores de opinião e pensadores.

Acho triste demais ver um fã agir de maneira afetada quando alguém fala mal do que ele gosta. Ser fã não te impede de pesar, de analisar o que curte. Ser fã não significa ser babaca ou intolerante. Migo, ninguém é obrigado a gostar das mesmas coisas que você, e não curtir na mesma intensidade, não o diminui.

Uma das coisas que mais curto é que desde o surgimento da internet e com a ajuda de nosso querido e escanteado mIRC eu poderia ter dito BBS, mas aí vocês iam me chamar de TiaVeia se tornou ainda mais simples encontrar pessoas com o mesmo interesse que o seu. Encontrar pessoas com gostos diferentes. Pessoas dispostas a conversar, a debater… Dispostas a entender que o seu gosto pode não ser o dela e ainda assim, todo mundo viver me paz. Saí da zona de conforto! Vai ser feliz!

Como disse no vídeo, sou totalmente contra o pensamento de que leitura ruim é apenas ruim. Não. Uma leitura ruim pode ensinar muita coisa pra gente! Ou no mínimo, pode nos ensinar a não comprar livro daquele autor. Vale bater um papo sobre o motivo de não ter gostado de algo? Claro! Mas não vale ficar morrendo por isso. O mundo é grande. O número de autores e livros diferentes daquele que foi ruim e te trouxe uma experiencia é enorme.

Quem topa ser mais feliz e livre de mimimi literário? rsrsrs

xoxo

[Lançamento] Na porta ao lado, Luiza Trigo

 

Na-porta-ao-lado

Que a Luly já estava escrevendo um novo livro para este ano, todo mundo que a acompanha já sabia. Quando ajudei com o evento da Nana Pauvolih em Abril, tive a confirmação do pessoal da Rocco que o novo livro da Luly sairia em uma data próxima da Bienal Internacional do Rio de Janeiro. Se eu já estava feliz? Claro! Mas aí um belo dia a própria vem falar comigo elogiando a resenha que fiz de “Meus 15 anos” que postei aqui no blog – você pode ler clicando aqui – e me informa que o livro saí no inicio de Julho! Pirei pouco né?

Amo ler de tudo um pouco e já agradeci a Luly por trabalhar com o gênero infanto juvenil e juvenil tão bem. Gosto tanto do livro que o citei em alguns vídeos também. Já conferiu o Top 4 Nacionais de 2014 ? Clica em cima de cada título e confere! 😉 Ela já avisou que vai fazer turnê, que vai vir aqui para Recife no mês de julho e mais empolgada, impossível!

Um pouquinho mais sobre o livro:

Sinopse oficial: Na porta ao lado retoma as personagens de Meus 15 anos – as amigas Bia, Carol, Amanda, Pri e Roberta – e gira em torno das aventuras e desventuras de Carol, que começa o novo ano na escola tendo que encarar não só o casamento de sua mãe e uma mudança de casa, mas também o padrasto como professor e o filho dele como colega de turma. Parece muito azar para uma garota só! Mas muitas outras surpresas aguardam a protagonista, suas amigas e os leitores ao longo dessa história feita de descobertas, amores, sonhos, desilusões, alegrias, decepções e amadurecimento, como a vida de todo adolescente.

Gente, já estou imaginando o quão gostosa vai ser essa leitura. E o melhor, A Carol é louca por listas! Igual a quem? rsrsrsrs Sou a louca das listinhas também! Qualquer dia posto uma foto do meu desktop e da parede do meu escritório… Fora que algumas das listas também tenho no celular. Será que a compulsão por listas dela é parecida com a minha? rsrs Vou rir um bocado, viu?

BlogCarolEBia-e1433303644970-1014x487

Diretamente do Blog da LulyNa Porta Ao Lado é um spin-off de Meus 15 Anos. Agora é a vez da Carol, uma das melhores amigas da Bia, virar o centro das atenções. A Carol tem mania de fazer listas. Escreve sobre tudo: livros favoritos, melhores momentos das férias, músicas prediletas, frustrações… Mas nunca pensou que registraria em suas listas novidades tão surpreendentes: o casamento de sua mãe com o namorado; a mudança da casa onde viveu por 15 anos e guardava as memórias do pai; a vida sob o mesmo teto que o padrasto e seu filho insuportável. Gente, total inferno! Mas a Carol conta com o apoio das suas quatro amigas – Bia, Pri, Amanda e Beta –, com as quais pode desabafar e se divertir. Vocês bem sabem como elas são boas nisso, né?! E se o clima em casa está ruim, ainda bem que na escola não acontece o mesmo, principalmente depois da chegada de um novo aluno que irá mexer com o seu coração.

E aí? Curtiram? Bem, enquanto o livro não chega, vocês podem conferir os dois primeiros capítulos gratuitamente! Basta clicar aqui e mandar ver!

Luly, estamos contando os dias para seu novo lançamento!

 

Xoxo