[RESENHA] Entrelinhas, Tammara Webber

ccc486af-a4b1-4f34-a076-c3d89d3577e4

 

ISBN: 13: 9788576863861

Ano: 2015

Páginas: 347

Língua: Português

Editora: Verus

Preço Médio: R$ 25,90

 

 

Sinopse:  Reid Alexander, um dos jovens atores mais bem pagos da atualidade, está acostumado a conseguir o que quer – e o que ele quer agora é Emma Pierce, a atriz novata que vai fazer par romântico com ele no próximo filme. Os astros parecem estar se alinhando para realizar o seu desejo, até que ele se vê diante de dois obstáculos inesperados: uma ex-namorada ressentida e um rival que vai disputar o coração de Emma. Emma Pierce acaba de receber uma oportunidade de ouro após anos atuando em comerciais e filmes para TV. Fazer o papel principal em um filme de grande orçamento, contracenando com o lindo Reid Alexander, deveria ser a realização de um sonho. Mas o coração de Emma esconde uma fantasia secreta: ela quer ser uma garota normal. Entrelinhas é o primeiro volume da série homônima de Tammara Webber, autora que já conquistou os leitores brasileiros com livros como Easy e Breakable. Embarque em mais esta história arrebatadora, que vai deixar você querendo muito mais.

Quem me conhece já sabe que eu tive um inicio complicado com a Tamara Webber. Easy foi um daqueles livros que vi o mundo inteiro esbanjando amor, mas na hora do vamos ver… eu o detestei.

Águas passadas, ganhei Entrelinhas na turnê na Record aqui em Recife e confesso que estava bem apreensiva para ler. Mas como o pessoal da Record adiantou: é jovem, é leve… E de fato é. Pronto, agora estou super de bem com a autora.

Entrelinhas é o primeiro volume de uma trilogia e é juvenil e divertido. Fácil de se identificar com os personagens, uma história que não tem lá muita novidade, mas faz você rir e o tempo passar sem que você nem sinta. É cheio de clichês também, vale adiantar, mas nada que tenha me incomodado de fato.

Os personagens principais são a Emma e o Reid e logo nos primeiros capítulos você já sente que a química entre os dois é forte. A Emma passa por uma pequena evolução ao longo do livro, algo que me agradou bastante. Ela vive uma relação muito delicada com seu pai, mas cresce aos poucos.  O Reid… bem, garoto, vamos ter que trabalhar bastante para que me conquiste de fato, enh? É aquele típico personagem que passa o rodo, é o gostosão, como a gente brinca aqui no Nordeste, se acha o verdadeiro bonitão das tapiocas. Ou como talvez vocês devam conhecer: se acha a última Coca-Cola do deserto. É um personagem que tem tudo para que você deteste, mesmo sabendo que em algum momento vai rolar uma redençãozinha.

Como eu disse, o livro é cheio de clichês e é contado por dois pontos de vista o que em determinado ponto fiquei pensando se não seria mais justo se a gente tivesse mais um, o do Graham. Ele é um personagem fácil de gostar. Que tem muito o que dizer também. E que faz acontecer, digamos assim. Não, eu não vou dizer mais que isso.

Algo que me peguei – e uma amiga que também leu falou comigo sobre isso, a Pri do blog Feed your head – o tempo todo pensando também foi se a Tammara Webber se inspirou em certos casais por aí. Mais precisamente, rasgo a seda mesmo e tenho vontade de gritar: A Tammara Webber era Robsten Shipper!!!! Kkkkk Sério, se você shipou ou acompanhou um mínimo que seja dos dois quando ainda estavam juntos, ao ler esse livro vai entender o que estou falando. São fatos parecidos demais.

No mais, o que realmente mais me divertiu foi acompanhar a tal adaptação moderna de Orgulho e Preconceito. Isso obviamente me lembrou muito das releituras de Emma, que no caso é o As Patricinhas de Beverly Hills e de A Megera Domada, de Shakespeare, com 10 coisas que odeio em você.

Gostei bastante da tradução, deu para sentir que rolou uma boa adaptação de algumas palavras e a diagramação e coloração da página estão maravilhosas. Ou seja: para acabar com uma tarde de tédio, Entrelinhas se torna uma ótima opção.

XoXo

Resenha de Beauté: Clarisonic Mia 2

Para quem se interessar em saber onde comprar a Clarisonic nos EUA, comprei a minha na Sephora. Tem alguns vendedores no Mercado Livre que vendem o aparelho aqui no Brasil, mas claro que o preço não é dos melhores. Outros lugares que vendem nos EUA: Ulta, Macy’s, Amazon (site) e Bloomingdale’s.

Como disse, não é um aparelho barato porém é algo que você vai usar o resto da vida. Basta ir trocando as cabecinhas de 6 em 6 meses e cuidar direitinho de sua Clarisonic. Uma vantagem é que o site Feel Unique vende as cabecinhas e entrega no Brasil. Eu compro as minhas lá e como demora bastante tempo para chegar, sempre peço umas 3 em cada compra para ter um estoque antes de pedir a próxima.

Se tiver alguma dúvida sobre a Clarisonic, deixa nos comentários que vou responder dentro dos meus conhecimentos como usuária do aparelho há quase 2 anos 🙂

Beijos

[Resenha] Sense8

A série finalmente foi renovada para a segunda temporada, mas acredito que a Netflix não nos deixaria sem mais dessa série incrivel. Sense 8 é uma série sobre senso de comunidade, senso de união. Não existem tabus ou alguém melhor que os demais. Juntos é que somos poderosos. Juntos podemos lutar por algo muito maior e melhor. Todos podem fazer mais, todos podem ajudar. Sense8, sensibilidade. Fiz uma resenha em nosso canal, vocês podem conferir clicando no vídeo a seguir!

E aí? O que vocês acharam? Curtiram o vídeo? E a série? Ansiosos por mais?

XoXo

[RESENHA] O Álbum, Timothy Lewis

0d4b5eec-8f06-48fe-b257-bc2b9fcd6573

ISBN: 13: 9788581637365

Ano: 2015

Páginas: 240

Língua: Português

Editora: Novo Conceito

Preço Médio: R$ 25,00

Para Adam, negociante de objetos usados, a casa de Gabe Alexander é apenas uma propriedade que será esvaziada e vendida pelo maior lance. Entretanto, em meio às prateleiras repletas de relíquias, um álbum antigo atrai sua atenção. Nele há cartões-postais amarelados pelo tempo, escritos ao longo de 60 anos. Intrigado, Adam começa a lê-los: eles estão cheios de frases românticas e delicadas, as provas do amor incondicional entre Gabe e Pearl Alexander.

Gabe cuidava para que um cartão chegasse às mãos de Pearl todas as sextas-feiras. Cada um deles possui não apenas um poema, mas verdades preciosas sobre o cotidiano de um casal que viveu um sonho. A soma de todas essas verdades talvez responda perguntas que Adam se faz há muito tempo.

Em O Álbum, confesso que a leitura não fluiu. A trama é algo que imaginava que iria me envolver por completo – me lembrou certas tramas do Sparks – mas apesar de bem construída e bem apresentada, infelizmente não me fisgou. Talvez o excesso de romance do livro tenha me deixando um tanto… boring.

Acho que quem gosta muito de ler infelizmente passa por isso de vez em quanto. O livro tem tudo para ser seu número, quando na verdade a gente acaba notando que não é bem assim. É bem frustrante, e, no meu caso, a questão foi não conseguir me importar com alguns dos personagens. Isso me frustra em um nível que jamais vou conseguir mensurar. Como disse é frustrante, afinal, se você não consegue se importar com o personagem, se ligar a ele, como é que você vai se ligar de fato ao que está ocorrendo naquelas páginas? O fato de não me identificar com os personagens não me faz cega – a trama é interessante e bem construída. Só não consigo, de fato, aproveitar como o autor merece.

E, para encerrar esse post, indico o livro para quem curte um romance leve. Sim, indico. O fato de não ter funcionado para mim, não significa que não pode funcionar para você. Além disso, não foi uma leitura ruim a ponto de virar um “Vixe MARIA”. Depois do meu pequeno grandioso trauma no ano passado com a tal trilogia, venho tomando cada vez mais cuidado para que a leitura seja ruim, mas não se torne um pequeno trauma. rsrsrs

Imagino que essa minha resenha não tenha sido encorajadora, mas para quem nos conhece, sabe que aqui no Blog a gente sempre divide as nossas experiências, sejam boas ou ruins com vocês.

Bem, acredito que é isso.

XoXo