[RESENHA] Neve na Primavera, Sarah Jio

Neve-Na-Primavera

 

ISBN: 9788581637211

Ano: 2015

Páginas: 336

Língua: Português

Editora: Novo Conceito

Preço Médio: 24,00

 

Sinopse: Seattle, 1933. Vera Ray dá um beijo no pequeno Daniel e, mesmo contrariada, sai para trabalhar. Ela odeia o turno da noite, mas o emprego de camareira no hotel garante o sustento de seu filho. Na manhã seguinte, o dia 2 de maio, uma nevasca desaba sobre a cidade. Vera se apressa para chegar em casa antes de Daniel acordar, mas encontra vazia a cama do menino. O ursinho de pelúcia está jogado na rua, esquecido sobre a neve.
Na Seattle do nosso tempo, a repórter Claire Aldridge é despertada por uma tempestade de neve fora de época. O dia é 2 de maio. Designada para escrever sobre esse fenômeno, que acontece pela segunda vez em setenta anos, Claire se interessa pelo caso do desaparecimento de Daniel Ray, que permanece sem solução, e promete a si mesma chegar à verdade. Ela descobrirá, também, que está mais próxima de Vera do que imaginava.

Esse é o meu primeiro contato com a autora Sarah Jio. Nunca tinha se quer ouvido falar sobre ela e seus trabalhos, o que no final me faz pensar se mesmo com meta, eu não ando negligenciando conhecer novos autores.

Digo isso pelo fato de ter gostado muito de sua escrita. Mesmo demorando para pegar o ritmo do livro, quando me envolvi, foi tão seriamente que não notei o tempo passar.

Falando em tempo, a história é contada por duas protagonistas que vivem em Seattle, porém uma em tempos atuais, a Claire, e outra que viveu nos anos 30, a Vera. Um fato em comum liga as duas. Além de serem de Seattle, no dia 2 de Maio de 2010 ocorre uma nevasca fora de época e exatamente a mesma coisa ocorre no dia 2 de Maio do ano de 1933.

Os capítulos vão variando entre cada protagonista e por ser em primeira pessoa, a gente tem uma noção do que cada uma está passando. Clarie é jornalista e tem que escrever sobre essa coincidência e acaba descobrindo sobre o desaparecimento do Daniel durante a nevasca de 33 e nunca mais fora encontrado. Como boa jornalista, ela vai investigar essa história do começo ao fim.

No começo, como disse, demorei um pouco para provavelmente pegar o ritmo por conta das mudanças. Cada ponto de vista é bastante íntimo. Os personagens são bem construídos, a história é bem contada e desenvolvida. Ponto extremamente positivo para o livro, pois ele mostra mulheres fortes, focadas em seus objetivos. É uma história sobre superação, sobre medo, sobre perda e que mesmo mostrando situações ruins, pessoas ruins, todos os personagens são extremamente humanos.

Foi uma leitura muito gostosa para um domingão de muita chuva. Terminei a leitura feliz e satisfeita.

XoXo

[Resenha] A lista, Cecelia Ahern

11057456_951479591552300_570372667053385568_n

 

ISBN: 9788581636832

Ano: 2015

Páginas: 384

Língua: Português

Editora: Novo Conceito

Preço Médio: 29,00

Sinopse: Kitty Logan tem 32 anos e aos poucos está perdendo tudo o que conquistou: sua carreira está arruinada; seu namorado a deixou sem um motivo aparente; seu melhor amigo está decepcionado com ela; e o principal: sua confidente e mentora está gravemente doente. Antes de morrer, Constance deixa um mistério nas mãos de Kitty que pode ser a chave para sua mudança de vida: uma relação de nomes de pessoas desconhecidas. É com base neles que Kitty deverá escrever a melhor matéria de sua carreira. Quando começa a ouvir o que aquelas pessoas têm a dizer, Kitty aos poucos descobre as conexões entre suas histórias de vida e compreende por que foi escolhida para dar voz a elas.

Cecelia Ahern é uma autora que escreveu uma das histórias que marcou muita gente: Ps: Eu te amo.  Pois é, alerta de lencinhos no ar!

A Kitty não está no seu melhor momento em sua vida. Seja como profissional ou pessoal, tudo está de cabeça para baixo. Ela perdeu sua melhor amiga e mentora para o câncer, e acaba pagando muito caro por ter acusado um homem que no final das contas era inocente. Ele a processa e ganha, e seu trabalho como jornalista é questionado.

Suspensa de um dos seus trabalhos, Kitty acaba ganhando uma missão que vai servir não só para homenagear a amiga que faleceu, mas também para desvendar o trabalho que ela iniciou, mas que não existe uma pauta que tenha sido realmente definida. A Kitty vai ser responsável por desvendar não apenas a lista com nomes, mas descobrir quem são aquelas pessoas para poder desenvolver a matéria. Ela acaba conseguindo ter contato com poucas pessoas da lista, mas tendo um tempo muito curto ela está certa de fazer valer o tempo conhecendo cada uma delas e tentando entender qual a ligação entre elas.

Gente… que livro lindo! A Cecelia consegue emocionar a cada pessoa que é conhecida e diferenciar cada uma delas. Foi um livro que assim como PS: Eu te amo, me prendeu, me deixou emocionada, me deixou um tanto irritada e intrigada… Adoro como ela consegue deixar todos os personagens tão reais… tipo, gente como a gente rs. É fácil de se relacionar, então a imersão se torna ainda mais intensa. Eu queria de verdade poder dizer muito mais sobre o livro, mas seria spoiler.

Foi um livro que me emocionou bastante e ver que Kitty estava amadurecendo aos poucos foi muito legal. Sabe aquele ditado de que sempre temos a oportunidade de crescer? Que por pior que estejam as coisas, que a gente pode sim melhorar, pode sim fazer mais? E que cada pessoa tem uma história para contar?

Pega um chazinho, os lencinhos e se senta para ler essa história linda. Só não recomendaria esse livro para ser uma leitura durante a TPM. kkkkk Eu realmente me emocionei, afinal, quem me conhece bem sabe como fico com histórias que tem amizade como ponto principal né? E apesar da protagonista começar a “trabalhar” na lista pela amiga, acaba descobrindo que está fazendo muito mais é por ela mesma!

Espero que tenham gostado da dica!

XoXo

Resenha: Kobo Touch – Jeu

Como mencionado no vídeo, o Kobo Touch é o leitor de livros digitais mais básico disponível na Livraria Cultura. Para comprar, você pode ir a qualquer loja da Cultura na sua cidade ou comprar no site.

Pra quem quer um leitor sem muita frescura e apenas para ler livros, o Kobo Touch é uma boa pedida. Mas como disse em vídeo, a grande desvantagem dele é não ter a luz que permite ler no escuro então, o Kobo Aurora (R$ 479,00) ou comprar uma lanterna seria a solução.

Beijos

[RESENHA] ANARDEUS – WALTER TIERNO

anardeus

ISBN: 9788578552053

Ano: 2013

Páginas: 184

Língua: Português

Editora: Giz Editorial

Preço Médio: 25,00

Skoob | GoodReads

Anardeus nasce feio, cresce ignorado e se torna um adulto desagradável. Sente muito frio, o tempo todo, e só desfruta o conforto do calor quando testemunha tragédias e horrores. Ele odeia tudo e todos, menos sua irmã gêmea, Isabel, sua antítese: linda, amável e cheia de calor.
Anardeus, com a sua personalidade detestável, é um anti-herói incomum e, por isso mesmo, tão interessante. O mundo não deseja Anardeus. Anardeus não deseja o mundo. Mas terão que viver juntos até o final apocalíptico e perturbador.
Anardeus, no calor da destruição tem como cenário São Paulo e seus personagens cínicos, loucos, egoístas. Um romance sem rótulos ou lugar-comum, para ler e sentir tudo – menos indiferença.

É difícil falar exatamente do que se trata Anardeus, mas uma coisa eu tive certeza: eita livrinho intenso. Eu senti como se fosse um soco no estomago, sabe? De tão crua, real, cruel e “doida” essa história é e de como ela foi tão bem desenvolvida pelo Walter Tierno.

Para começar, esse não é um livro de leitura fácil e não é por conta da complexidade do texto, nem nada do tipo. Anardeus trata de situações intensas e muitas vezes tabu, deixando o leitora desconfortável em algumas passagens em que você pensa “que merda é essa?”. Mas quanto mais intenso ele ficava, mais eu me envolvia e queria essas “tapas de realidade” dadas em meu rosto. É o tipo de experiência que poucos livros te proporcionam.

Dividido em três narrações (Anardeus, O Fotógrafo e Isabel), conta a história de irmãos gêmeos que são diferentes em tudo: Isabel é quente como o fogo e calorosa com todos ao seu redor, conquistando todo mundo com um poder de sedução indescritível e beleza fora do comum. Já Anardeus é frio, calculista, apático e descrito como um homem de aparência detestável. Ele sente muito frio o tempo inteiro – enquanto sua irmã sente muito calor sempre – e os raros momentos em que esse frio não o faz precisar vestir inúmeras camadas de roupas são quando está presenciando (ou desejando até acontecer) algo trágico, como um acidente de metro ou um avião destruindo um prédio.

A crueldade no livro não vem só quando essas tragédias acontecem, mas também ao mostrar a vida que Anardeus levou desde que nasceu. Fruto de uma família desestruturada, sempre foi rejeitado por todos enquanto via sua irmã ser exaltada em diversos aspectos. Isso poderia causar um atrito entre os irmãos, porém, eles têm uma relação bem intensa e que muitas vezes cai no tema tabu. Sim, é isso mesmo que você está pensando e algumas pessoas vão querer fechar o livro nesses momentos, mas vai por mim: continue.

O plano de fundo dessa história é o que faz o livro ser tão bom, além do modo que Walter narra todas as situações com tanta realidade. Nele não tem meias palavra e por isso eu reforço que não é uma leitura fácil, muito menos para quem ainda não atingiu certa maturidade. Anardeus é o típico anti-herói que muita gente pode odiar, porém, você acaba abraçando a causa dele e torcendo por mais que ele seja cínico, cruel, egoísta e, utilizando a única palavra para descrevê-lo, escroto. Não existe um personagem bonzinho nesse livro, nem mesmo Isabel que sempre teve tudo de mão beijada por ser tão linda e sensual. Ela tem seus momentos de crueldade, só mostrando que existe um pouco de maldade dentro de cada ser humano.

E colocar São Paulo como o cenário dessa história só torna tudo mais perfeito. Eu sempre sinto certa melancolia em São Paulo, por ser uma cidade tão grande e com pessoas tão diferentes. É o típico lugar com milhões de pessoas, mas que você vai se sentir sozinho mesmo no meio da Avenida Paulista lotada. Anardeus se sentia sozinho no meio dessa megalópole e talvez seja essa a explicação para tanto rancor no seu coração. Se bem que, ao terminar o livro, você duvida muito que Anardeus, ou até mesmo Isabela, tenha coração. Eles tinham uma missão nesse mundo e souberam cumprir direitinho, mesmo que para isso você tenha que terminar com uma tragédia já esperada, mas que não tira o brilho desse livro que só reforça que temos sim autores brasileiros incríveis e histórias maravilhosas.

Beijos 🙂